domingo, 5 de abril de 2009

Respeitável público! - Ops! O apresentador do circo sumiu



A aproximação da primeira apresentação do Cirque du Soleil em Salvador, em agosto, traz a tona a discussão sobre a linguagem deste grupo, que é considerado a 2º maior indústria de entretenimento do mundo, e uma referência desta arte.

Primeira escola de circo do Nordeste e quarta do Brasil, a Picolino possui identificações e diferenças com o Soleil. O coordenador do projeto, Anselmo Serrat, observa que a linguagem do circo canadense de contar uma história já era utilizada pelo grupo baiano, fundado em 1985.

Para Serrat, o grande marco do Soleil é tirar a função de apresentador do espetáculo, mas o coordenador do Picolino ressalta que o circo brasileiro não deve seguir o caminho do canadense, que, de acordo com ele, possui uma visão européia. Serrat diz que o circo brasileiro deve dar espaço a cultura brasileira, retratando seu povo. Para ele, este é o futuro do circo.

Essa visão é compactuada pelos instrutores do Picolino, que ressaltam a narração do cotidiano do povo no Picolino. Já os alunos, que assistiram o espetáculo do grupo canadense Alegria, encenado em Minas Gerais, agora estão ansiosos ver a apresentação do Quidam em Salvador.

Confira galeria de fotos do Quidam.

Foto: Divulgação Picolino

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário